Gibis que precisam ser publicados no Brasil: Copperhead

Copperhead é aquele tipo de gibi que me pega pelo coração. Segundo o Google, trata-se de um “Space Western”, ou seja, nossos dois gêneros favoritos no mundo inteiro. Tinha como dar errado? Não. E mesmo assim, sendo cético, deu errado? Também não. Me ofereceram um faroeste espacial e é isso que estão me entregando.

Sendo assim, não dá pra esperar novidades, não é mesmo? E já cansei de falar aqui que não se vive apenas de novidades e obras revolucionárias. A gente gasta uma fortuna no sábado, mas passa a semana comendo feijão com arroz feliz da vida. Copperhead é aquele feijãozinho com arroz muito bem temperado. Tem a forasteira que acabou de chegar na cidade? Claro que tem: Clara Bronson (olha esse nome!) acabou de se mudar para Copperhead, uma cidade mineira bem suja situada num planeta pra lá de sossegado. Clara chegou para assumir o posto de xerife da cidade e trouxe junto consigo seu filho, Zeke Bronson. Na delegacia, ela trabalha com o policial Boo, esse alienígena imenso com cara de cachorro.

Planeta sossegado onde nada acontece? Só pode ter um poderoso inescrupuloso. Em Copperhead tem, e ele vai se aliar com quem você menos imagina. Clara e seu filho se mudaram para recomeçarem, isso é óbvio. Então, do que ela tá fugindo? Quem é o pai do Zeke? Já deu pra perceber que você vai ter muito o que conhecer somente no primeiro arco, em cinco partes.

Publicada desde setembro de 2014, Copperhead já está na edição 18 (rolou um hiato cabuloso no meio do caminho) e possui três TPs (o quarto tá prometido pra março desse ano). Foi criado e é escrito pelo Jay Faerber e os dois primeiros arcos tiveram os desenhos lindos do Scott Godlewski (creditado como criador) e cores do Ron Riley. Faerber trabalhou pra Marvel e DC, além de ter escritos coisas para TV. Godlewski fez umas coisas para Vertigo e hoje tá na DC Comics, desenhando umas coisas do Renascimento, incluindo Super-Homem. Com a saída dele, assumiu o Drew Moss e a arte deu uma caída, mas nada muito comprometedor.

Se você está procurando um gibi divertido para ler nessas férias, então dê uma chance a Copperhead. Tem alienígenas malucos e das mais variadas formas, humanos falhos, mistérios, ação desenfreada, muita violência e uns robôs casca grossa para fã nenhum botar defeito. Só falta agora uma editora por aqui se interessar por esse material, que tem tudo para conquistar os leitores brasileiros.


  iTunes   Fale com a gente!

Deixe uma resposta